segunda-feira, 31 de maio de 2010

Post # 29




Eu tenho vivido intensamente nesses últimos meses uma historia que daria um bom filme. Eu que sou um apaixonado pelo cinema, TV (dramaturgia no geral) me vejo envolvido numa trama cheia de emoção.

Nunca imaginei passar por tamanha provação, por tamanha saudade de tudo o que poderia ter sido se tivesse acontecido de uma forma diferente. São tantas tramas que se cruzam, tantos personagens que acho que vai acabar em trilogia! Ou em continuações interminaveis como filme de terror adolescente.

E quem é o maldito roteirista? Porque sinto que não sou eu quem escreve. Estranho essa falta de controle. Você está quieto no seu canto planejando um futuro e as coisas subitamente mudam e mudam seu futuro. Apesar de tudo ainda dirigimos esse filme chamado vida, um grande roteiro sem pé nem cabeça.

2 comentários:

pointlesswriting disse...

Eu tenho muitas coisas a falar sobre isso. Uma delas foi que, aprendi há muito que planejar certas coisas a longo prazo nunca dá certo. mesmo.
Talvez seja eu que já esteja bem acostumada com o ritmo pós moderno de reviravoltas, você sabe, a vida de todos nós poderia dar um filme. alguns mais maçantes. creio que o nosso estaria na categoria dos interessantes, assim, dos que as pessoas gostam de se colocar no lugar.
e vc, que gosta tanto de Almodovar, já devia esperar por essas. :)
acho q o testimonial que o Pedro Rios me deixou de aniversário se aplica muito ao lifestyle da gente (estou colocando eu e vc na mesma panela devido as semelhanças): "Nos últimos 6 dias eu perdi a unha, tomei mais de 4 litros de uísque e vi meus quadros derretendo em duas oportunidades...
e nem assim chego perto do glamour rock n'roll que paira em você, Mayra Lopes."

nós somos walking art pieces, entende?
bem... o que mais eu posso falar é: só pq vc não é o diretor, não quer dizer q vc não pode se divertir com isso.
beijos, amour.
M.

Gildson Souza disse...

Escrevi um post no meu blog que falava mais ou menos da mesma coisa. Lembro que finalizei ele com um trecho da música do Gonzaguinha que diz: "somos nós que fazemos a vida como der, ou puder, ou quiser". O importante não é saber quem é o roteirista, mas sim saber que temos importancia enquanto protagonistas.

Caso se interesse, o link do post que te falei: http://badu-laques.blogspot.com/2010/04/que-viemos.html

Abraços