quinta-feira, 15 de julho de 2010

Post # 3 2


Tudo o que termina não necessariamente tem seu fim. Uma estrela quando morre após uma grande explosão pode virar um buraco negro. Nosso corpo quando morre vira alimento para uma família inteira de vermes.

Tem gente que, mesmo acabando a fase da adolescência não sai da mesma. Às vezes terminamos um vicio apenas para começar outro. No caso do amor, isso não acaba. É como um vício latente. Está lá dentro da gente, fica guardado só esperando o momento de entregar este sentimento para outra pessoa.

A minha vida inteira fui impulsivo e sempre me recriminaram, mas eu era feliz e não sabia. Sempre fugia de relacionamentos sérios e um dia cansei de ser sozinho. Mas, oras: todos estão sozinhos e muita coisa é ilusão da nossa mente.

Existe uma “pré-disposição” para amar e é disso que eu sofro. Sou carente, sentimental, emotivo e ajo por impulso quando os sentimentos afloram. Mas agora estou de férias de mim. Cansei de ser eu mesmo e pretendo ser mais racional e não fazer mais planos colocando terceiros na minha vida.

Então o plano é o seguinte: não ter planos!

Apesar de querer ser racional não sei se vou conseguir. O ser humano tenta se colocar acima dos outros animais tentando negar seus sentimentos e não percebem que os tais sentimentos são uma grande obra da evolução humana.

O ser humano não sabe voar, não tem presas, nem garras, nem veneno, muito menos tem visão noturna. Mas nós amamos porque essa é a nossa proteção. No meio da cadeia alimentar onde o homem se encontra no topo, não temos mais nada a temer, somente a nós mesmos. Nossa solidão.

5 comentários:

Lu Marins disse...

Tun, entendo total.
MUITO MESMO.
:|

Anônimo disse...

Tunai, percebo perfeitamente teus pontos ee tuas reflexões.

É mesmo complicada toda essa questão: entregar-se é, portanto, um ato de coragem ou significa render-se? Já não sei.

Estando eu do outro lado da ótica da questão, digo a ti o contrário do que pensas. Entrega-te às oportunidades, pois se para ti isso é um tormento, para terceiros, tormento é não ter essa coragem. É o ser racional em demasia. É o abrir mão do presente em detrimento de um futuro incerto.

"In the long run we are all dead", já dizia Keynes. E ainda há quem deixe de viver no "short run" em detrimento de um "long run", sem mesmo saber se ele existe.

É, no entanto, estranho e mesmo irracional, creio eu, ter como plano, não ter planos. O fato de não ter plano JÁ é um plano, portanto, já o tens.

Não norteie teus planos (mesmo achando que não tens) com o desejo de ser racional. Isso não é mesmo fixe.

Conselho de um amigo.
Thauan

Barthô Tarsus disse...

concordo contigo na falta de planos.

mas acho que os sentimentos são o resquício de natureza e o raciocínio como defesa. pior, o racionalismo.

anyway, negócio é o foda-se msm. já que funciona pra tanta gente, pq não com a gente ?? :)

Anônimo disse...

Bem,a emoção é algo que nos faz agir por impulso né,pensando exclusivamente no bem estar,na alegria momentânea.Esta mesma emoção nos faz chorar,sorrir,enfim,é o sentimento que aflora sem que sejamos racionais.
Por outro lado temos a razão. Agir com a razão é pensar no amanhã, nas conseqüências de uma decisão. A razão nos coloca um freio.

A vida é feita de escolhas e em cada uma delas sempre há este duelo entre razão e emoção, consciência e coração, e você muitas vezes precisa abrir mão de um deles. As escolhas não são nada fáceis. Muitas vezes adiamos esta decisão por medo de sofrer ou nos arrepender.Ainda acho que não tem como ficarmos sem planejar algo.Isso é normal.
Como dizia o velho W.Shakespeare:
"As paixões ensinaram a razão aos homens."

(He)

Andrea disse...

O amor incondicional.Isto é o que viemos aprender neste planeta-latrina. Mas a droga do nosso ego não deixa. E nos prendemos nessa ilusão que é a vida-esgoto-realidade-criada. Como você bem disse, meu querido primogênito, temos que temer a nós mesmos. Beijos!
PS: Já falei que te acho lindo? rss